Canadense fez uma empresa de US$ 1 bilhão no porão de casa (e sem investimento)

Canadense fez uma empresa no porão de casa

Canadense fez uma empresa de US$ 1 bilhão no porão de casa (e sem investimento)

Em 2001, Carl Rodrigues fundou a Soti, empresa que tem um valuation de US$ 1 bilhão atualmente,

enquanto trabalhava do porão de casa

Criar uma empresa que vale US$ 1 bilhão não é fácil – aas chamadas startups unicórnio. Agora, imagine fazer uma empresa de US$ 1 bilhão trabalhando do porão da sua casa. Sozinho, sem investimento e enquanto sua sogra (que mora contigo) quer te matar por ter largado o emprego que sustentava a família.

É o que Carl Rodrigues fez. Em 2001, ele fundou a Soti, empresa que tem um valuation de US$ 1 bilhão atualmente, enquanto trabalhava do porão de casa. Na cidade canadense de Mississauga. “Meu objetivo era conseguir produzir algo que eu realmente gostasse. Eu não sabia o que eu ia fazer, mas eu pensei que deveria tentar”, afirmou Rodrigues à BBC.

Logo no primeiro mês, trabalhando diversas horas por dia (lembre-se: fora do porão é um mundo hostil com sua sogra por lá), ele teve uma ideia. Criar um sistema que permitisse controlar o celular pelo laptop. Desenvolveu e começou a vender o sistema bem devagar…

Até que um dia, tudo mudou, recebendo uma ligação de um dos maiores grupos de supermercado do Reino Unido – do outro lado do oceano – interessados em adquirir o sistema para uso interno na companhia.

Eles queriam falar com alguém da equipe de vendas da Soti, mas Rodrigues ainda trabalhava sozinho no porão de casa. “Eu acho que eles não perceberam que estavam falando com um cara sozinho no porão.  Então quando me pediram para falar com alguém de vendas eu atendi o telefone com um tom de voz diferente”, conta. Deu certo e a companhia vendeu 20.000 unidades só naquele dia.

Atualmente, a empresa recebe US$ 80 milhões em receitas por ano e continua 100% nas mãos de Rodrigues e da esposa – nunca tendo precisado de nenhum investimento para alcançar este feito. Ele resolveu não vender a empresa (teve uma oferta da Microsoft em 2006) e deixar ela crescer “o máximo possível”.

Claro que a história de Rodrigues é uma exceção no mundo corporativo e, normalmente. Investimentos são muito benéficos para as empresas. 

E cresceu: embora o endereço formal da companhia ainda seja o porão da casa dele. A Soti atualmente tem 17.000 consumidores e 700 empregados em 22 países diferentes. Embora tenha um espaço central em Mississauga, onde ele ainda reside. Sucesso.

Texto: conteudo.startse.com.br