Cloroquina - Medicamento usado no tratamento e profilaxia de malária

Cloroquina

Cloroquina

Cloroquina – Cloroquina é um medicamento usado no tratamento e profilaxia de malária em regiões onde a malária é susceptível ao seu efeito. Em alguns tipos de malária, estirpes resistentes e casos complicados geralmente é necessário administrar outros medicamentos. É ocasionalmente usada no tratamento de amebíase extraintestinal, artrite reumatoide e lúpus eritematoso. É um medicamento de administração oral. Em março de 2020 estava também a ser usado de forma experimental no tratamento de infeções por COVID-19.

Os efeitos adversos mais comuns são problemas musculares, perda de apetite, diarreia e erupções cutâneas. Entre outros afeitos adversos mais graves estão problemas com a visão, danos musculares, crises epilépticas e baixa concentração de células sanguíneas. A administração durante a gravidez aparenta ser segura. A cloroquina faz parte de uma classe de medicamentos denominada 4-aminoquinolinas. O medicamento atua contra a forma assexual de malária no interior das hemácias.

A cloroquina foi descoberta em 1934 pelo investigador da Bayer, Hans Andersag. Faz parte da Lista de Medicamentos Essenciais da Organização Mundial de Saúde, uma lista dos medicamentos mais eficazes, seguros e fundamentais num sistema de saúde. Está disponível como medicamento genérico.

Coronavírus relacionado à síndrome respiratória aguda grave (SARS-Cov)

Em Outubro de 2004, um grupo de pesquisadores do Instituto Rega de Pesquisa Científica, publicou um relatório acerca da cloroquina, atestando que a mesma funciona como um efetivo inibidor das complicações respiratórias pela síndrome respiratória aguda grave (SARS-Cov). Todavia, os testes foram realizados in-vitro.

COVID-19

No final de Janeiro de 2020, durante a pandemia de coronavirus 2019-2020, pesquisadores chineses realizaram um teste experimental da cloroquina, e outras duas medicações (remdesivir e lopinavir/ritonavir), dando “efeitos inibidores relativamente satisfatórios” no SARS-CoV-2, que é o vírus que causa o COVID-19. Pedidos para a realização de testes clínicos já foram solicitados. A Cloroquina também foi sugerida para o tratamento da SARS, com os testes in vitro inibindo o virus SARS-CoV.

Em 19 de Fevereiro de 2020, resultados preliminares determinaram que a cloroquina pode ser efetiva no tratamento do COVID-19 quando há associação com pneumonia. Há também evidências de que o fosfato de cloroquina in-vitro da cultura celular. O Departamento de Ciências e Tecnologia da Província de Guandong enviou um relatório informando que o fosfato de cloroquina “aumenta o índice de tratamento, e diminuí o tempo do paciente no hospital”, e recomendou o tratamento para pessoas com diagnóstico leve, moderado e grave de coronavírus com pneumonia.

Fonte: Google