Crise do setor imobiliário chinês que deixou 65 milhões de apartamentos vagos

Crise do setor imobiliário chinês que deixou 65 milhões

Crise do setor imobiliário chinês que deixou 65 milhões de apartamentos vagos

A economia da China vem dando mostras de desaceleração desde 2018.

Crise do setor imobiliário chinês que deixou 65 milhões de apartamentos vagos – A economia da China vem dando mostras de desaceleração desde 2018. Com o mercado imobiliário chinês, a situação não poderia ser diferente, puxada principalmente pela retração dos gastos e da confiança dos consumidores, assim como a guerra comercial travada com os Estados Unidos.

artigo publicado na Nikkei Asian Review aponta que o país asiático possui um número estrondoso de apartamentos vazios em todo o país – 65 milhões, segundo Gan Li, professor de Finanças e Economia da Universidade de Southwestern, nos Estados Unidos. O professor ainda estima que 47,1% da dívida hipotecária pendente no país está vinculada a residências que agora estão vazias.

Tal resultado se deu por conta do boom massivo de construções e da incapacidade financeira da população chinesa. Só para se ter uma ideia; as vendas em 24 cidades monitoradas pelo índice China Real Estate Index System caíram 44% na primeira semana de 2019 em comparação a 2018, ainda que as principais cidades – Xangai, Shenzhen; Cantão e Pequim – tenham registrado crescimento de 12%.

Para alguns analistas, a previsão para 2019 em relação ao setor imobiliário é de contração. Kaven Tsang, diretor sênior de crédito da Moody’s em Hong Kong, projeta uma queda de 5% nas vendas por contrato em todo o país; o que causaria impacto não apenas em construtoras, como também na criação de empregos, no número de investimentos e na geração de dinheiro para repartir entre os governos locais.

Segundo a CLSA, cerca de 25% do PIB da China foi criado a partir de indústrias relacionadas à propriedade.

“A moradia é um meio crucial de formação de ativos na China, onde cidadãos comuns enfrentam restrições a investimentos no exterior e têm poucas opções domésticas além dos mercados acionários locais, que perderam 25% de seu valor no ano passado”, diz o artigo.

Um professor da Universidade Renmin de Pequim, Xiang Songzuo, estima que 80% da riqueza do povo chinês está na forma de imóveis, o que corresponde a US$ 65 trilhões em valor. “Uma desaceleração significativa poderia, portanto, ter um impacto substancial na saúde financeira dos cidadãos”, diz a matéria.

Fonte: https://moneytimes.com.br/entenda-a-crise-do-setor-imobiliario-chines-que-deixou-65-milhoes-de-apartamentos-vagos/