Expectativa mercado imobiliário 2019, confira na integra.

Mercado imobiliário

Expectativa mercado imobiliário 2019

Expectativa mercado imobiliário 2019.

Expectativa mercado imobiliário 2019, confira.

Expectativa mercado imobiliário 2019. Depois de passar por uma de suas maiores crises; o mercado imobiliário brasileiro demonstra recuperação e aponta um retorno em grande estilo já no primeiro semestre de 2019. Especialistas acreditam que este será o ano da virada para o setor; que já registrou melhora significativa a partir do final do ano passado.

No mês de novembro de 2018 foram comercializadas 3843 unidades residenciais novas apenas na capital paulista; segundo a Pesquisa de Valores de Locação Residencial realizada pelo SECOVI (Sindicato da Habitação do estado de São Paulo). O resultado foi 36,5% maior do que o do mesmo período em 2017.

 Novo paranorama

Passada a tempestade; vislumbra-se um novo panorama para o mercado imobiliário para os próximos cinco anos; com expectativas de juros menores, maior abertura de financiamentos bancários e um ambiente mais seguro juridicamente. Com um aumento da demanda; as construtoras e as incorporadoras voltarão a lançar novos projetos que agradem a todas as classes econômicas e faixas etárias.

Após as eleições, o novo governo tem sinalizado de muitas formas que a recuperação do cenário macroeconômico do país e a consequente volta do crescimento são suas principais metas; mantendo-se a taxa de juros baixa e a inflação sob controle. Quanto maior o aumento da confiança do consumidor na economia maior é a probabilidade de investimento em parcelas de longo prazo; principalmente no que trata da compra da casa própria. Os economistas brasileiros esperam uma inflação máxima de 4,25% para 2019; valor considerado razoavelmente controlado se comparado a 2016, quando a inflação era de 6,29%.

Sistema Financeiro da Habitação

Além disso, a partir de janeiro, passou a valer o aumento do teto do valor dos imóveis que se enquadram no SFH (Sistema Financeiro da Habitação) para R$ 1.500.000. Essa medida não só estimula a aquisição de imóveis por novos interessados como também aumenta a faixa para uso dos recursos de FGTS para a aquisição de imóveis.

Fonte: Exame