Mercado imobiliário na região norte do país continua aquecido

Mercado imobiliário

Mercado imobiliário na região norte

Mercado imobiliário na região norte do país continua aquecido

Mercado imobiliário na região norte

Mercado imobiliário na região norte do país continua aquecido. O ano de 2018; até o momento; está sendo de recuperação para o mercado imobiliário; com um número crescente de vendas por todo o país.

E com o final de ano se aproximando; para quem deseja chegar em 2019 fazendo bons negócios e bons investimentos, esta pode ser a hora ideal; visto que o momento continua superaquecido e propenso às negociações. Segundo o economista, Raimundo Casé; dois grandes fatores motivaram este crescimento do ramo imobiliário.

motivadores

“Os motivadores estão relacionados à entrada dos grandes bancos privados, como Itaú; Bradesco e Santander no mercado imobiliário; o que levou uma rápida queda da taxa de juros num nível um pouco maior de competição e também a Resolução nº 4676/2018 que ampliou o limite do valor do imóvel habitacional a ser financiado, dentre outros pontos que acabaram favorecendo a ampliação do crédito imobiliário que é tão importante para esse mercado”; explica.

O economista acrescenta que diante deste favorecimento, o período está propenso para investir e indica as construções verticais e horizontais como boas opções. “Certamente é um bom momento para a aquisição, mesmo porque se a demanda continuar a crescer, o estoque de imóveis vai diminuir e possivelmente teremos aí um realinhamento de preços.

 Tendência

Existe uma tendência muito forte em Palmas para a verticalização; os apartamentos hoje têm uma alta demanda e com a valorização bastante interessante, há uma superoferta também para os lotes”, finaliza. Entenda O Banco Central, em julho deste ano; tomou algumas iniciativas e fez reajustes na Resolução nº 4676/2018; mudando a regulamentação que movimenta um percentual dos recursos captados por intermédio de contas de poupança ao crédito habitacional e imobiliário. Mudança da referência de cálculo do saldo base do direcionamento substituindo a média aritmética dos saldos diários dos 12 meses anteriores pela média dos 36 meses anteriores.